terça-feira, 11 de outubro de 2011

As horas têm passado cada vez mais devagar, como se os minutos insistissem em prolongar ainda mais essa agonia, como se o dia não fosse acabar nunca mais. E eu continuo aqui, cansada, segurando palavras, segurando lágrimas, continuo aqui esperando que em algum momento tudo mude.
O telefone não toca, a vida continua monótona, cadê você?
Por que não consigo perder essa minha mania de querer de um jeito errado, egoísta e mimado? É como se tivesse tudo tão errado que eu já nem sei mais o que fazer, alem de sentar aqui, em frente ao nada, em frente ao incerto e esperar e esperar e esperar...

sábado, 1 de outubro de 2011


E justo agora quando eu já tinha escolhido não me apaixonar aparece você, com seu sorriso e o seu jeito de me levar, com seus carinhos e com seu leve jeito de beijar.
Justo eu que sempre fui tão segura comigo mesma me encontro hoje aqui, procurando meios e caminhos para não errar. Justo eu que depois de tudo o que aconteceu, tinha resolvido não mais me apaixonar.
Logo agora que tudo tinha voltado pro lugar, quando meu coração já não doía mais e minhas idéias loucas voltavam a circular, você aparece fazendo tudo sumir e me fazendo delirar.
E nesse tempo todo, e no meio de todos, só agora encontrei o seu olhar!
E mesmo com todas as loucuras, com todas as diferenças e com todos os contratempos prometo nunca mais te largar, e se tudo continuar como esta, calmo, leve e com um toque de sonhar, eu prometo nunca mais te abandonar!
Porque hoje em dia é nos seus braços que eu quero ficar, com você quero dormir e sonhar e é ao teu lado que quero acordar.
Justo agora quando eu prometi que não iria mais me apaixonar...


"E justo eu que era tão singular..."