sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

acontece (:





M – Aonde você vai?
H – Vou sair um pouco.
M – Vai de carro?
H – Sim.
M – Tem gasolina?
H – Sim… coloquei.
– Vai demorar?
H – Não… coisa de uma hora.
M – Vai a algum lugar específico?
H – Não… Só rodar por aí.
M- Não prefere ir a pé?
H – Não… vou de carro.
M – Traz um sorvete pra mim!
H – Trago… Que sabor?
M – Manga.
H – Ok… Na volta eu passo e compro.
– Na volta?
H – Sim… senão derrete.
M – Passa lá, compra e deixa aqui.
H – Não… Melhor não! Na volta.. é rápido!
M – Ahhhhh!
H – Quando eu voltar eu tomo com você!
M – Mas você não gosta de manga!
H – Eu compro outro… de outro sabor.
M – Aí fica caro…. Traz de cupuaçu!
H – Eu não gosto também.
M – Traz de chocolate… Nós dois gostamos.
H – Ok! Beijo… volto logo…
M – Ei!
H – O que?
M – Chocolate não… Flocos…
H – Não gosto de flocos!
M – Então traz de manga prá mim e o que quiser prá você.
H – Foi o que sugeri desde o começo!
M – Você está sendo irônico?
H – Não… tô não! Vou indo.
M – Vem aqui me dar um beijo de despedida!
H – Querida! Eu volto logo…. depois.
M – Depois não…. quero agora!
H – Ta bom! (Beijo)
M – Vai com o seu ou com o meu carro?
H – Com o meu.
M – Vai com o meu… Tem CD player… O seu não!
H – Não vou ouvir música… Vou espairecer.. .
M – Tá precisando?
H – Não sei… Vou ver quando sair!
M – Demora não!
H – É rápido… (Abre a porta de casa.)
M – Ei!
H – Que foi agora?
M – Nossa! Que grosso! Vai embora!
H – Calma… Estou tentando sair e não consigo!
M – Porque quer ir sozinho? Vai encontrar alguém?
H – O que quer dizer?
M – Nada… Nada não!
H – Vem cá… Acha que estou te traindo?
M – Não… Claro que não… Mas sabe como é?
H – Como é o quê?
M – Homens!
H – Generalizando ou falando de mim?
M – Generalizando.
H – Então não é meu caso… Sabe que eu não faria isso! 
M – Ta bom… Então vai.
H – Vou.
M – Ei!
H – Que foi cacete?
M – Leva o celular, estúpido!
H – Prá quê? Prá você ficar me ligando?
M – Não… Caso aconteça algo, estará com celular.
H – Não… Pode deixar…
M – Olha… Desculpa pela desconfiança. .. Estou com saudade… só isso!
H – Ok meu amor… Desculpe-me se fui grosso. Ta. Eu te amo!
M – Eu também!
M – Posso futricar no seu celular?
H – Prá quê?
M – Sei lá! Joguinho!
H – Você quer meu celular prá jogar?
M – É.
H – Tem certeza?
M – Sim.
H – Liga o computador.. . Lá tem um monte de joguinhos!
M – Não sei mexer naquela lata velha!
H – Lata velha? Comprei pra a gente mês passado!
M – Ta. Ok… Então leva o celular senão eu vou futricar…
H – Pode mexer então… Não tem nada lá mesmo…
M – É?
H – É.
M – Então onde está?
H – O quê?
M – O que deveria estar no celular mas não está…
H – Como!?
M – Nada! Esquece!
H – Ta nervosa?
M – Não… Tô não…
H – Então vou!
M – Ei!
H – Que ééééééé?
M – Não quero mais sorvete não!
H – Ah é?
M – É!
H – Então eu também não vou sair mais não!
M – Ah é?
H – É.
M – Oba! Vai ficar comigo?
H – Não vou não… Cansei… Vou dormir!
M – Prefere dormir do que ficar comigo?
H – Não…. vou dormir, só isso!
M – Está nervoso?
H – Claro porra!!!
M – Por que você não vai dar uma volta para espairecer?



Luis Fernando Veríssimo



 Não se iluda com a meiguisse de uma pessoa, lembre-se que o diabo já foi um anjo !


Eu não te amo por todas as vezes que você disse que estava tudo bem, eu te amo pela simples calma que você me passa quando estou contigo. Eu não te amo por todas as vezes que nós rimos juntos, eu te amo por você saber me fazer sorrir como ninguém e pelo jeito que eu derreto ao ver o seu sorriso, te amo pelo simples fato de saber que podemos ser feliz.
Eu não te amo por todas as vezes que você me ouviu chorar, mas sim por todas as vezes que você me abraçou e mostrou que pode ser meu único ponto de paz. Na verdade eu te amo pelo arrepio que você causa em mim, pelo seu perfume que parece me fazer fixa em você. Te amo por todas as palavras e pelo jeito como você parece me entender como nenhuma outra pessoa.
Eu não te amo por todas as vezes que nossas conversas foram longas e sim por todas as vezes que um simples olhar disse tudo. Eu te amo por todas as noites em que fiquei acordada apenas relembrando o seu beijo e o seu toque e por todas as vezes que de alguma maneira o meu mundo era aquele em que apenas você fazia parte. Eu não te amo por todas as duvidas que você já colocou a minha frente e sim pela única certeza de que é realmente você quem eu quero e que você é a única pessoa que eu preciso.
Na verdade eu não preciso de motivos para te amar, eu só preciso saber que é verdadeiro e intenso. Eu só preciso saber que é real. Eu só preciso saber que, eu te amo.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010


Você já amou alguém a ponto de mal conseguir respirar quando sente a pessoa perto? Você já amou alguém a ponto de sentir aquele amor te consumir de maneira tão devastadora e profunda que você simplesmente não consegue se libertar? Você já sentiu seu coração despedaçar enquanto falava com ele (a) sobre outro amor?
Você algum dia já sentiu que não poderia mais agüentar? Ou sentiu que o nome dele (a) estava tão presente em suas frases e falas que nem você mais conseguia suportar?

Você já amou tão profundamente a ponto de sentir que o seu mundo inteiro depende apenas do sorriso dele (a)?